Historia de Adolf Hitler – (video dublado em português)


hitler-bebe

O bébé Adolf Hitler…

Historia de Adolf Hitler

 

Adolf Hitler (Braunau am Inn, 20 de Abril de 1889 — Berlim, 30 de Abril de 1945), foi um militar e político, líder do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores  Alemães (em alemão: Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, NSDAP), também conhecido por Partido Nazi , uma abreviatura do nome em alemão  (Nationalsozialistische), sendo ainda oposição aos sociais-democratas, os Sozi. Hitler se tornou chanceler e, posteriormente, ditador alemão. Era filho de um  funcionário de alfândega de uma pequena cidade fronteiriça da Áustria com a Alemanha.

hitler-1920

Adolf Hitler em 1920

Em 1923, tentou realizar um golpe de Estado em Munique junto com outros líderes do Partido Nazista. O fracasso desse  acontecimento levou-o a cadeia, onde  escreveu o livro Mein Kampf (Minha Luta, 1924), autobiografia e programa ideológico para  a Alemanha com as suas teses racistas e anti-semitas. Em 1933 tornou-  se chanceler da Alemanha; O seu projecto nacionalista  rearmou o país, recuperou a economia e fez várias obras públicas. Em Setembro de 1939, invadiu a Polónia,  iniciando a Segunda  Guerra Mundial. A Alemanha, juntamente com a Itália e com o Japão, formavam o Eixo. O Eixo seria derrotado pela intervenção externa do  grupo de países que se denominavam os “Aliados“. Tal grupo fez-se notável por ter sido constituído pelos principais representantes dos sistemas capitalista e socialista, entre os quais a União Soviética e os Estados Unidos, união esta que se converteu em oposição no período pós-guerra, conhecido como a Guerra Fria. A Segunda Guerra Mundial acarretou a morte de um total estimado em 50 a 70 milhões de pessoas.

Documentos apresentados durante o Julgamento de Nuremberga indicam que, no período em que Adolf Hitler esteve no poder, grupos minoritários considerados indesejados — tais como Testemunhas de Jeová, eslavos, polacos, ciganos, homossexuais, deficientes físicos e mentais, e judeus — foram perseguidos no que se tornou conhecido como Holocausto, no qual estima-se que cerca de 11 milhões de pessoas foram mortas.  A maioria dos historiadores admite que à maior parte dos perseguidos foi submetida a Solução Final, enquanto certos seres humanos foram usados em experimentos médicos ou militares.

Hitler sobreviveu sem ferimentos graves a 42 atentados contra sua vida. Devido a isso, ao que tudo indica, Hitler teria chegado a acreditar que a “Providência” intervinha a seu favor. A última tentativa de assassiná-lo foi o atentado de 20 de Julho de 1944, onde uma bomba, preparada para simular o efeito de um explosivo britânico, explodiu a apenas dois metros do Führer. O atentado foi liderado e executado por von Stauffenberg, coronel alemão condenado à morte por fuzilamento. Tal atentado não o impediu de, menos de uma hora depois, se encontrar em perfeitas condições físicas com o ditador fascista italiano Benito Mussolini.

Adolf Hitler cometeu suicídio no seu quartel-general (o Führerbunker), em Berlim, a 30 de Abril de 1945, enquanto o exército soviético combatia as suas tropas que defendiam a capital alemã (a francesa Charlemagne e a norueguesa Nordland). Segundo testemunhas, Hitler já teria admitido que havia perdido a guerra desde o dia 22 de Abril, e desde já passavam por sua cabeça os pensamentos suicidas.

hitler-genealogia

A família de Hitler

 

Pouco se sabe sobre sua vida no período do nascimento até à entrada na política, logo após a Primeira Guerra Mundial. Em 1930,  dirigindo-se a opositores políticos, declarou “Não podem saber de onde e de que família venho“. Hitler envergonhava-se manifestamente  das suas origens humildes. Parece não ter feito nada de relevante até o momento em que iniciou a sua vida militar. As suas declarações  em “Mein Kampf“, sobre a sua infância, serviram sobretudo para promoção pessoal e são, por isso, pouco confiáveis

 

 

Infância e juventude em Linz

Adolf Hitler morava numa pequena localidade perto de Linz, na província da Alta-Áustria, próximo da fronteira alemã, e que à época era parte do Império Austro-Húngaro. O seu pai, Alois Hitler (1837-1903), que nascera como filho ilegítimo, era funcionário da alfândega. Até aos seus quarenta anos, o pai de Hitler, Alois, usou o sobrenome da sua mãe, Schicklgruber. Em 1876, passou a empregar o nome do seu pai adoptivo, Johann Georg Hiedler, cujo nome terá sido alterado para “Hitler” por erro de um escrivão, depois de ter feito diligências junto de um sacerdote responsável pelos registos de nascimento para que fosse declarada a paternidade, já depois da morte do seu padrasto. Adolf Hitler chegou a ser acusado, depois, por inimigos políticos, de não ser um Hitler, mas sim um Schicklgruber. A própria propaganda dos aliados fez uso desta acusação ao lançar vários panfletos sobre diversas cidades alemãs com a frase “Heil Schicklgruber” – ainda que estivesse relacionado, de fato, aos Hiedler por parte da sua mãe.

A mãe de Hitler, Klara Hitler (o nome de solteira era Klara Polzl), era prima em segundo grau do seu pai. Este trouxera-a para sua casa para tomar conta dos seus filhos, enquanto a sua outra mulher, doente e prestes a morrer, era cuidada por outra pessoa. Depois da morte desta, Alois casou-se, pela terceira vez, com Klara, depois de ter esperado meses por uma permissão especial da Igreja Católica, concedida exactamente quando Klara já se mostrava visivelmente grávida . No total, Klara teve seis filhos de Alois. No entanto, apenas Adolf, o quarto, e sua irmã mais nova, Paula, sobreviveram à infância.

Adolf era um rapaz inteligente, porém, mal-humorado. Por ser desde cedo boémio, foi reprovado por duas vezes no exame de admissão à escola secundária de Linz. Ali, começou a acalentar ideias pan-germânicas, fortalecidas pelas leituras que o seu professor, Leopold Poetsch, um antissemita bastante admirado pelo jovem Hitler, lhe recomendou vivamente.

Hitler era devotado à sua complacente mãe e, presumivelmente, não gostava do pai, que apreciava a disciplina e o educava severamente, além de não compartilharem muitas ideias políticas. Em “Mein Kampf“, Hitler é respeitoso para com a figura de seu pai, mas não deixa de referir discussões irreconciliáveis que teve com ele acerca da sua firme decisão em se tornar artista. De fato, interessou-se por pintura e Arquitectura. O pai opunha-se firmemente a tais planos, preferindo que o filho fizesse carreira na função pública.

Em Janeiro de 1903 morreu Alois Hitler, vítima de apoplexia. Em Dezembro de 1907 morreu Klara, de cancro, o que o teria afectado sensivelmente.

Hitler em Viena – 1920.

Com dezanove anos de idade Hitler era órfão e em breve partiu para Viena, onde tinha uma vaga esperança de se tornar um artista. Tinha, então, direito a um subsídio para órfãos, que acabaria por perder aos 21 anos, em 1910.

Em 1907 fez exames de admissão à Academia de Belas-Artes de Viena, sendo reprovado duas vezes seguidas. Nos anos seguintes permaneceu em Viena sem um emprego fixo, vivendo inicialmente do apoio financeiro de sua tia Johanna Pölzl, de quem recebeu herança. Chegou mesmo a pernoitar num asilo para mendigos na zona de Meidling no outono de 1909 . Os outros mendigos deram-lhe a alcunha de “Ohm Krüger” (segundo o historiador Sebastian Haffner). Teve depois a ideia de copiar postais e pintar paisagens de Viena – uma ocupação com a qual conseguiu financiar o aluguer de um apartamento, na rua Meldemann. Pintava cenas copiadas de postais e vendia-as a mercadores, simplesmente para ganhar dinheiro, não considerando as suas pinturas uma forma de arte. Ao contrário do mito popular, fez uma boa vida como pintor, ganhando mais dinheiro do que se tivesse um emprego regular como empregado bancário ou professor do liceu, e tendo de trabalhar menos horas. Durante o seu tempo livre frequentava a Ópera Estatal de Viena, especialmente para assistir a óperas relacionadas com a mitologia nórdica, de Richard Wagner, e cujas produções viria, mais tarde, a financiar, como meio de exaltação do nacionalismo germânico. Muito de seu tempo era dedicado à leitura.

Águia estilizada nazi

Águia estilizada nazi

Foi em Viena que Hitler começou a perfilar-se como um activo anti-semita, particularidade que governaria a sua vida e que foi a chave  das suas acções subsequentes. O anti-semitismo estava profundamente enraizado na cultura católica do sul da Alemanha e na Áustria,  onde Hitler cresceu. Viena tinha uma larga comunidade judaica, incluindo muitos judeus ortodoxos da Europa de Leste. Hitler tomou  aí contacto com os judeus ortodoxos, que, ao contrário dos judeus de Linz, distinguiam-se pelas suas vestes. Intrigado, procurou  informar-se sobre os judeus através da leitura, tendo comprado em Viena os primeiros panfletos abertamente anti-semitas que leu na  vida, como relata em Mein Kampf.

Em Viena, o anti-semitismo tinha-se desenvolvido das suas origens religiosas numa doutrina política, promovida por pessoas como  Jörg Lanz von Liebenfels, cujos panfletos foram lidos por Hitler; políticos como Karl Lueger, o presidente da câmara de Viena, e Georg  Ritter von Schönerer, fundador do partido Pan-Germânico. Deles, Hitler adquiriu a crença na superioridade da “Raça Ariana” que  formava a base das suas visões políticas e na inimizade natural dos judeus em relação aos “arianos”, responsabilizando-os pelos problemas económicos alemães.

hitler-Primeira-edição-do-Mein-Kampf-em-alemão-julho-de-1925-Exposição-do-Museu-Histórico-Alemão-em-Berlim.

Primeira edição do Mein Kampf em alemão Julho de 1925. Exposição do Museu Histórico Alemão em Berlim.

Como Hitler relata em Mein Kampf, foi também em Viena que tomou contacto com a doutrina marxista, tendo “aprendido a lidar com a dialéctica deles“, na discussão com marxistas, “incorporando-a para os meus fins”.

Munique

Em Maio de 1913, recebeu uma pequena herança do seu pai e mudou-se para Munique. Como escreveria mais tarde em Mein Kampf, sempre desejara viver numa cidade alemã, talvez de acordo com o seu desejo de se afastar do império multi-étnico Austro-Húngaro e viver num país “racialmente” mais homogéneo. Em Munique interessou-se especialmente por arquitectura e pelos escritos de Houston Stewart Chamberlain.

Ao mudar-se, fugia também ao serviço militar no exército Austro-Húngaro, que o capturou pouco depois e o submeteu a um exame físico (pelo qual ficamos a saber que mediria 1,73 m). Foi considerado inapto para o serviço militar e permitiram-lhe que regressasse a Munique, onde prosseguiu a sua actividade de pintor, vendendo por vezes os seus quadros pela rua.

Vida pessoal

Vários historiadores afirmam que Hitler era vegetariano. Janet Barkas, no livro “The Vegetable Passion” (A Paixão Vegetal) e Colin Spencer no livro “The Herectis Feast” (O Banquete dos Heréticos), apoiam essa ideia. Entretanto, alguns dos biógrafos do ditador, como Albert Speer, Robert Payne, John Toland, e outros falam de sua preferência pelas salsichas de presunto e carnes defumadas.

Adolf Hitler und Eva Braun auf dem Berghof

Hitler, sua esposa Eva Braun e sua cadela Blondi em 14 de Junho de 1942.

Apesar da dieta proposta pelos médicos, a maioria dos autores diz que Hitler os enganava comendo carne de tempos em tempos.  Aparentemente, a fama de que ele era um vegetariano convicto se deve a Joseph Goebbels, ministro da propaganda, que percebeu aí  uma oportunidade de divinizar a imagem do Führer. Independente de ser vegetariano ou não, sabe-se que ele adorava doces, se  empanturrava de chocolate e comia porções enormes de bolo.

Doutor Morrell, médico pessoal de Hitler, (alegadamente) aplicava-lhe diariamente um “cocktail“de remédios no qual incluía dezenas  de pílulas e injecções.

Relata Wilhelm Keitel, que Hitler considerava a caça uma matança desonesta da fauna inocente. O Führer tinha uma cadela da raça  pastor alemão chamada Blondi. Hitler era abstémio, mas em sua idade adulta bebia ocasionalmente, em suas visitas a bares de Viena e  de Munique, onde adquiriu parte da sua ideologia racista. Keitel afirma que, após a ascensão de Hitler ao poder, uma única vez o viu  beber um copo de cerveja, no dia em que ele visitou Praga, após sua conquista.

Não admitia que seus oficiais e aliados fumassem (Movimento anti-tabagismo na Alemanha nazista). Certa vez, tentou impedir  Göring de fumar, defendendo que “quando se posa para um monumento, não se pode estar com um cigarro na boca“. Certa vez,  durante o outono de 1939, Heinrich Hoffmann trouxe-lhe fotos em que Stalin aparecia com um cigarro na mão. Hitler proibiu sua publicação, afirmando que jamais iria “prejudicar a imagem grandiosa do estilo de vida de um ditador.

Hitler era uma pessoa polida e cordial no trato particular, quase paternal, a confiar na narrativa de Traudl Junge, sua secretária. Quando de suas visitas a Munique, Hitler gostava de se reunir com seus camaradas no restaurante da rua Schelling, sempre pedindo um prato de ravióli e água mineral Fachinger ou Apollinaris.

hitler-Recorte-de-jornal-com-a-notícia-da-morte-de-Hitler

Recorte de jornal noticiando a morte de Hitler

Segundo algumas fontes, Hitler era canhoto (ou ambidextro), sofria de fotofobia e falava alemão com sotaque típico dos subúrbios de Viena (Wiener Vorstadtdialekt).

Em 29 de Janeiro de 2012, um dos seus quadros, o “Maritime Nocturno“, pintado quando ele tinha 23 anos, foi leiloado por 32 mil Euros em um leilão realizado na Eslováquia. O nome do comprador não foi revelado.

Adolf Hitler escreveu em “Mein Kampf”, referindo-se à sua experiência em Viena:

…de um fraco cosmopolita transformei-me num grande anti-semita‘ ”

Video

 

Isto é tudo para vocês, compartilhem com os outros pelos meios que quiserem!Email this to someone

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *