Artigos


O interior do monumento do Cristo Redentor-Video

O interior do monumento do Cristo Redentor O Cristo Redentor é um monumento retratando Jesus Cristo, localizado no bairro do Santa Teresa, na cidade do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Situa-se no topo do morro do Corcovado 709 metros acima do nível do mar. Foi inaugurado às 19h15min do dia 12 de outubro de 1931 dia de Nossa Senhora […]


CID MOREIRA & BÍBLIA – Audio.

CID MOREIRA & BÍBLIA   Cid Moreira começou na rádio Difusora de Taubaté, como contador. Como sua voz era muito bonita e grave, foi convidado para ser locutor. Narrou documentários para cinema, meio no qual também apresentou o noticiário semanal Canal 100, de produção de Carlos Niemeyer. Em 1955, atuou como ator no filme Angu de caroço, voltando ao […]


CC-HUNTER – Os sobrenaturais – Audio, (livro 2)

CC-HUNTER – Os sobrenaturais Desperta ao Amanhecer (Livro 2) Kylie anseia por descobrir sua própria identidade sobrenatural e o que seus poderes significam. Agora ela vai precisar deles mais do que nunca, porque está sendo assombrada por outro espírito, que insiste em dizer que alguém que ela ama morrerá antes […]


O Enterro das Ratazanas de Bram Stoker (audio)

O Enterro das Ratazanas    Bram Stoker, autor de Drácula, é o mestre da literatura fantástica e o mais popular entre todos os escritores do género. "O Enterro das Ratazanas" tornou-se numa obra de culto para os leitores de contos de horror.       O ENTERRO DAS RATAZANAS (siga link […]


EDUARDO STREET  (1934 – 2006)


Um homem com uma vida inteira dedicada à sonorização, mas muito especialmente ao teatro radiofónico. Nascido em 1934, Eduardo Street foi o profissional que mais peças de teatro, folhetins e séries realizou na história da rádio portuguesa. A sua escola, como a de muitos profissionais de rádio, foi, segundo é voz corrente, a melhor escola de rádio, a Rádio Universidade, na qual ingressou em 1953. Aí escreveu, sonorizou e realizou programas na área de História, Literatura e Teatro.
A primeira peça de teatro que sonorizou foi O Iconoclasta de Fernando Amado, no Teatro Avenida. Corria o ano de 1955.
No ano seguinte, convidado pelo produtor e realizador Cunha Teles, começou a sonorizar jornais e documentário cinematográficos.
Entrou na Emissora Nacional em 1958, realizando folhetins e teatros, além de séries e programas sobre temas culturais. Colaborou, ainda, com a Rádio Renascença e o Rádio Clube Português. Iniciou-se então como realizador de teatro radiofónico, folhetins e programas dramatizados.
Ao mesmo tempo prosseguiu o seu trabalho no cinema, sonorizando filmes de António Lopes Ribeiro, Perdigão Queiroga e Francisco de Castro. No teatro foi responsável pela banda sonora de vários espectáculos de diversas personalidades, como Manuel Lereno, Varela Silva, Augusto de Figueiredo e Vasco Morgado.
Em 2005, recebeu a medalha de honra da Sociedade Portuguesa de Autores como forma de reconhecimento e consagração do trabalho de criação por si desenvolvido.
É autor do livro O Teatro Invisível – História do Teatro Radiofónico, um documento precioso sobre a História do Teatro Radiofónico em Portugal e as figuras – actores, autores e realizadores – que a protagonizaram.
Em homenagem a uma vida dedicada ao Teatro Radiofónico, a Antena 2, às 5ª feiras às 21h00, recupera do Arquivo Histórico da Rádio, algumas das peças de teatro realizadas por Eduardo Street.

 

O Teatro Imaginário…

É na Rádio Universidade, onde escreve, faz locução e programas de índole cultural, que a paixão de Eduardo Street pela rádio nasce, cresce e amadurece. Em 1958 entra para a Emissora Nacional, especializando-se na realização de folhetins e programas dramatizados. Pela mão dele são transmitidos 45 folhetins e mais de 500 peças de teatro, revisitando os mais diversos autores como Gil Vicente, Calderon de la Barca, Cervantes, Luís de Camões, Molière, Garrett, Camilo Castelo Branco, Ferreira de Castro, José Cardoso Pires, Vergílio Ferreira, Kafka e muitos outros. Ao mesmo tempo, Eduardo Street explora o mundo da publicidade levando consigo o “seu” teatro, dando voz a actores em vez de locutores, valorizando as palavras em mensagens publicitárias. Em 1992, pela 1ª vez na história da rádio portuguesa, Eduardo Street põe o teatro radiofónico em contacto directo com o público, numa versão de Frei Luís de Sousa apresentada ao vivo no Palácio de Fronteira com transmissão na Antena 2. Em 1997 renasce, nos estúdios, o teatro radiofónico, rebatizado com o nome de Teatro Imaginário, e com um conceito distinto: textos curtos baseados em diálogos simples, concebidos por novos autores que, ora jogando com um humor corrosivo, ora fazendo cruzar a lógica com o absurdo, pudessem captar um público mais jovem. Os clássicos não são esquecidos e muito menos a música, que começa a entrar como personagem em obras fascinantes como “O Concerto para Piano em Lá Menor, Opus 54, de Shumann”, ou “O Mito de D. Juan”, proporcionando neste caso um confronto formidável entre Molière e Mozart. Em 2005, um ano antes da sua morte, Eduardo Street recebeu a Medalha de Honra da Sociedade Portuguesa de Autores, “como forma de consagração do trabalho de criação desenvolvido”. Em 2006 publicou “O Teatro Invisível – História do Teatro Radiofónico”, livro que dedicou aos profissionais da rádio, aos escritores da rádio, aos actores, às vozes perdidas no éter. O seu Teatro Imaginário renasce agora, e ao longo de um ano, na Antena 2, recuperando e comprovando o valor do seu trabalho, para sempre guardado nos arquivos da rádio.

Fonte


O Coleccionador de Lágrimas

O Coleccionador de Lágrimas Cury publica desta vez uma ficção histórica e por meio da trama electrizante protagonizada por um professor de história expõe na prática ideias essenciais da Psicologia Multifocal, linha terapêutica que exerce. O autor narra a experiência surpreendente vivida por um expert nos eventos que marcaram a […]